Jamaica extradita aos EUA suposto traficante Christopher Coke

O suposto traficante Christopher "Dudus" Coke foi extraditado aos Estados Unidos nesta quinta-feira, após desistir de ter seu julgamento realizado na Jamaica.

HORACE HEL, REUTERS

24 de junho de 2010 | 20h18

A polícia prendeu Coke, de 42 anos, nos arredores de Kingston na terça-feira, encerrando de maneira pacífica uma busca pelo famoso fugitivo iniciada com operações que deixaram 76 mortos na capital jamaicana no mês passado.

Ele abriu mão de seu direito de um julgamento de extradição durante uma rápida sessão judiciária nesta quinta-feira, realizada sob um forte esquema de segurança perto da delegacia onde era mantido preso desde sua captura.

Após assinar uma ordem de consentimento, Coke foi colocado em um avião para Nova York, onde foi acusado no ano passado por tráfico de armas e drogas, disse a polícia jamaicana. Ele estava sob custódia de agentes do departamento antidrogas dos Estados Unidos, disse uma autoridade do governo norte-americano.

Ele disse ter tomado a decisão de desistir de seu direito de um julgamento por sua própria vontade e disse ter "feito isso, apesar de acreditar que meu caso seria defendido com sucesso na Justiça da Jamaica".

Promotores norte-americanos acusam Coke de ser o atual líder da "Shower Posse", quadrilha que cometeu centenas de assassinatos durante guerras entre traficantes de cocaína na década de 1980.

No mês passado, pelo menos 76 pessoas morreram em quatro dias de violência quando policiais e soldados invadiram a favela de Tivoli Garden, em Kingston, para tentar capturá-lo.

Coke comandava uma milícia particular e é um conhecido apoiador do partido governista da Jamaica, o Trabalhista. Inicialmente, o governo local se recusou a extraditá-lo para os Estados Unidos, abalando as relações entre os dois países.

Tudo o que sabemos sobre:
JAMAICATRAFICANTEEXTRADITA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.