Nana tucci/AE
Nana tucci/AE

Jantar no bordel dos livros de Jorge Amado

ILHÉUS - Quando for a Ilhéus não deixe de visitar o Bataclan. O mítico cabaré que serviu de cenário para Gabriela, Cravo e Canela, de Jorge Amado (além de São Jorge dos Ilhéus e Terras do Sem-Fim), voltou aos bons tempos. Mas não espere encontrar por ali coronéis do cacau, como os que se reuniam na casa de Maria Machadão para fechar negócios e flertar com as "raparigas". A vocação atual do Bataclan é bem diferente da original, nos anos 1920. O lugar agora abriga um centro cultural, com espaço para eventos, cafeteria e loja.

Nana Tucci/ESPECIAL PARA O ESTADO,

29 de fevereiro de 2012 | 19h51

Foi restaurado em 2004, depois de 60 anos em ruínas. Mas faltava alguma coisa até maio do ano passado, quando o chef paulistano Paulinho Martins, que vive na capital do cacau, resolveu abrir um restaurante ali.

O clima de bordel foi mantido: está nas paredes de pedra, cortinas, nas lâmpadas vermelhas em formato de coração, nos painéis com erotismo sutil, na luz baixa, no pequeno palco cenográfico montado no salão. A estrutura e a fachada do prédio, que é tombado, são originais, os artigos decorativos não - no térreo, onde fica o restaurante, funcionava um armazém de secos e molhados; o cabaré ocupava o mezanino.

O cardápio combina receitas clássicas da cozinha internacional e releituras de pratos regionais como o "medalhão" de rabada - depois de cozida, desfiada e sem as gorduras e cartilagens, a carne é enrolada e cortada como um medalhão. É servida com purê de aipim e pó de bacon.

Paulinho prioriza os ingredientes típicos e abundantes na região, caso do palmito pupunha e, claro, do cacau. "Servimos também um pato orgânico certificado", conta. Desfila no menu das sobremesas uma cocada de ficar na lembrança: inspirada na receita local do doce, tem consistência de bolo e não exagera na quantidade de açúcar.

À frente do fogão do Bataclan fica o cozinheiro Eron Amorim. Paulinho assume o comando apenas quando serve menu-degustação. É nessas noites que costumam aparecer personalidades de Ilhéus. Políticos, empresários, médicos, Paloma Jorge Amado, a filha do escritor - até o escritor e cientista americano Harold McGee já esteve ali, em 2011, depois de participar do Paladar - Cozinha do Brasil.

O restaurante, à la carte, funciona só à noite. O almoço é servido no bufê. E sábado é dia de pratos típicos, como moqueca e bobó de camarão. A casa segue a tendência de servir cachaças envelhecidas em madeiras brasileiras e promove degustações.

O Bataclan será cenário da minissérie Gabriela, Cravo e Canela que a TV Globo exibirá este ano.

ONDE FICA

Restaurante Bataclan

Av. 2 de Julho, 75, Ilhéus, Bahia, (73) 3634-0088

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.