Tokyo Electric Power Co/Arquivo/AP
Tokyo Electric Power Co/Arquivo/AP

Japão revela que previu derretimento de Fukushima desde o início

Em minutas ministeriais divulgadas nesta sexta, governo japonês antevia perigo horas após o tsunami ocorrer

REUTERS

09 Março 2012 | 08h42

TÓQUIO - O governo japonês anteviu a possibilidade de derretimento nos reatores da usina nuclear de Fukushima desde as primeiras horas após um tsunami atingir o local, segundo minutas ministeriais divulgadas nesta sexta-feira, 9, embora as autoridades tenham levado mais de um mês para admitir isso.

 

Veja também:

ESPECIAL: Um ano do tsunami no Japão 

O terremoto e o tsunami de 11 de março de 2011 destruíram os sistemas de refrigeração da usina Fukushima Daiichi, da Tokyo Electric Power (Tepco), causando o pior desastre nuclear do mundo desde o acidente de Chernobyl, em 1986. "Os sistemas de refrigeração ainda em atividade são os mantidos por baterias. Elas vão durar oito horas", diz o sumário da primeira reunião emergencial do gabinete japonês, quatro horas depois do terremoto, citando um participante não-identificado.

"Se as temperaturas do núcleo dos reatores continuarem subindo por mais de oito horas, há a possibilidade de que ocorra um derretimento". No dia seguinte, um funcionário do Ministério do Comércio que atuara como porta-voz do governo após o desastre foi substituído por citar o risco de fusão do reator.

Dois meses depois

 

Só em maio a empresa Tepco, dona da usina, admitiu que as barras de combustível do reator pareciam ter derretido, o que gerou suspeitas de que a operadora e as autoridades estariam tentando minimizar a gravidade do acidente.

 

A Tepco hoje considera que três dos seis reatores da usina, 240 quilômetros a nordeste de Tóquio, sofrerem derretimento do combustível. As minutas foram divulgadas a dois dias do primeiro aniversário do desastre, que deixou 19 mil mortos ou desaparecidos. Outros trechos das minutas mostram confusão e discordância entre os principais líderes, num momento em que o Japão enfrentava sua pior crise desde a Segunda Guerra Mundial.

"Quem é o líder real da operação?", perguntou em 15 de março o então ministro de Assuntos Domésticos, Yoshihiro Katayama, durante reunião na sede da Reação a Emergências Nucleares. "Recebo muitas demandas e solicitações ininteligíveis. Ninguém está segurando as rédeas", dizia ele.

Em 14 de março, o então primeiro-ministro Naoto Kan disse haver consenso entre especialistas de que retirar as pessoas de um raio de 20 quilômetros em torno da usina seria suficiente. Ele foi contestado por Koichiro Gemba, na época ministro da Estratégia Nacional, que citou visões contraditórias.

Gemba, que representa Fukushima politicamente, disse em outra reunião: "Isso é guerra. Só ganhamos ou perdemos. Já estamos perdendo algumas batalhas. Mas o importante é como administramos para limitar nossas perdas".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.