Japonês? Que nada, o queijo de soja surgiu na China

O tofu chegou ao Japão no século 8º e desembarcou no Brasil apenas no século 20, na bagagem dos imigrantes japoneses

09 de março de 2011 | 20h37

Tofu não é japonês, é chinês. É muito consumido nos dois países e também na Mongólia, Coreia e Indonésia. Surgiu há dois milênios e há controvérsias sobre sua origem. Existe a hipótese de que tenha sido descoberto por acaso, já que a soja era um dos cinco grãos sagrados do país. A receita pode também ter sido transmitida por indianos ou mongóis, que além de queijos, faziam tofu. Porém a versão preferida pelos chineses é a de que tenha sido descoberto pelo príncipe Lui An, de Huai-nan, por volta de 164 d. C. Estudioso de alquimia e taoismo, ele estaria tentando enriquecer a dieta vegetariana taoista e teria coagulado o leite de soja com nigari (cloreto de magnésio), presente na água do mar. Mas o tofu entrou no cardápio dos mosteiros apenas entre 520 e 528, depois de aprovado por Bodhidharma, fundador da escola zen do budismo.

Só no século 8º o tofu chegou ao arquipélago nipônico, por meio de monges budistas, e se difundiu quando os mosteiros se popularizaram e abriram suas portas aos camponeses e samurais. Mais tarde, foi considerado item de luxo e os camponeses, proibidos de prepará-lo. Com o tempo o tofu voltou a ser produzido por todos, e por muitos séculos, preparado apenas artesanalmente. Só a partir da 2ª Guerra, com a descoberta de outros coagulantes no Japão, passou a ser fabricado em larga escala no país.

O queijo de soja chegou ao Brasil com os imigrantes japoneses no início do século 20. Atualmente, pode ser comprado em todos os Estados do País, segundo a empresa fabricante Agronippo.

Mais conteúdo sobre:
tofu: paladar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.