Japoneses querem caçar 860 baleias para estudo polêmico

Um grupo de pesquisadores japoneses deixou o porto de Shimonoseki, nesta quarta-feira, para realizar uma caça anual de baleias na Antártida. Segundo os idealizadores da expedição, o objetivo é sacrificar cerca de 860 animais para um estudo científico polêmico.De acordo com os pesquisadores, a caça às baleias é necessária para que se possa estudar os animais do local e seus hábitos alimentares. No entanto, diversos grupos de proteção ao meio ambiente alegam que a medida é apenas um pretexto para manter a indústria baleeira do país em atividade.Em 1986, uma comissão criada no Japão para tratar o assunto, proibiu a caça de baleias com fins comerciais. No entanto, as pesquisas foram liberadas. Hideki Moronuki, um dos líderes da Agência Japonesa de Pesca, disse que o tema é realmente polêmico. Porém, para ele, as críticas ao programa são infundadas.O ministro australiano do Meio Ambiente, Ian Campbell, também se manifestou, pedindo ao Japão que abandone o programa imediatamente. "Isso não é ciência", disse. "São mortes com objetivos puramente comerciais".De acordo com uma agência australiana de notícias, quatro navios de organizações ativistas, incluindo o Greenpeace e o Sea Shepherd, devem organizar protestos contra a expedição anual de caça.Apesar de não fazer parte da dieta comum dos japoneses, a carne de baleia é vendida comercialmente e pode ser encontrada em diversos mercados locais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.