Jobim afirma que as buscas pelo voo 447 prosseguirão

As buscas pelos corpos dos passageiros do voo AF 447 da Air France, que fazia o trajeto Rio-Paris, prosseguirão até o momento em que for inútil continuar vasculhando o local da tragédia em busca de mais vítimas, assegurou ontem em Paris o ministro da Defesa, Nelson Jobim. Ele está na cidade para um encontro com o ministro francês Hervé Morin e desmentiu a informação de que o trabalho de resgate de corpos se encerraria na sexta-feira.

A, Agencia Estado

16 de junho de 2009 | 09h48

?Disse a ele que nós continuaríamos fazendo as buscas. Já foram encontrados 49 corpos, entre aspas, ou seja, despojos. E continuaremos fazendo isso até o momento em que, tecnicamente, se entenderem inúteis as buscas?, disse Jobim. Ele levantou a possibilidade, no entanto, de, após ?três ou quatro dias? sem a localização de novas vítimas, a operação ser interrompida.

O ministro destacou que os franceses vão continuar auxiliando nas buscas e na identificação dos corpos. De acordo com ele, o trabalho de identificação deverá ser realizado todo no Brasil. ?Até para evitar uma dupla necropsia, o que seria uma coisa terrível para as famílias.? Por enquanto, nenhum corpo foi identificado. Jobim e Morin acertaram detalhes sobre a parceria estratégica na construção de quatro submarinos convencionais e um a propulsão nuclear, com tecnologia francesa.

Hoje, a expectativa é de que a Air France se pronuncie no 48º Salão da Aeronáutica e do Espaço Paris Le Bourget, que começou ontem. Além da crise econômica, o clima negativo causado pelo acidente com o voo 447, com 228 a bordo, também deve contribuir para um evento fraco neste ano. As empresas envolvidas no acidente, por conta disso, devem apresentar esclarecimentos em entrevistas marcadas por diretores para esta semana. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
aviãoAir Francevoo 447

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.