Jobim defende prisão de policiais corruptos no Rio

O ministro de Defesa, Nelson Jobim, defendeu hoje a prisão de policiais acusados de corrupção durante operações em favelas no Rio de Janeiro. "Tem que prender mesmo e botar na cadeia, fazer o processo necessário. Isso mostra que essas operações visam também à identificação de problemas internos nas polícias, isso é importante que se faça", afirmou o ministro, em entrevista à imprensa brasileira em Buenos Aires, na Argentina.

MARINA GUIMARÃES, Agência Estado

14 de fevereiro de 2011 | 15h32

Jobim sugeriu que os inquéritos sejam rigorosos, "principalmente que sejam públicos, transparentes". Também opinou que a utilização do Exército em operações como as do Rio não deveria ser repetida em outros Estados. "Espero que não sejam (repetidas) porque a função do Exército e das Forças Armadas, nesse caso, é meramente subsidiária, quando há uma impossibilidade, uma dificuldade, uma deficiência dos meios policiais para tanto", disse Jobim.

O ministro qualificou como "importante" a política que o Rio adotou de criar as unidades pacificadoras, que, segundo ele, deveriam ser ocupadas por novos policiais militares e não pelos antigos. "Eles estão formando essas unidades. É uma política importante porque traz gente nova e o Exército está colaborando. Mas não podemos transformar isso em uma atividade primária das Forças Armadas. São atividades secundárias e especialíssimas, em hipóteses muito especiais."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.