Jobim defende união sul-americana para defender riquezas

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, aproveitou o anúncio da participação argentina no desenvolvimento de um cargueiro da Embraer para defender a integração dos países sul-americanos na área militar para defender as riquezas da região que, segundo ele, serão disputadas daqui a 50 anos.

REUTERS

13 de abril de 2011 | 13h40

"Este ato que estamos realizando é exatamente o início de um processo de integração", disse o ministro durante o anúncio, realizado na LAAD, maior feira de segurança e defesa da América Latina.

"Quem tem que ter poder dissuasório não são os países sul-americanos, mas sim o subcontinente sul-americano, porque o subcontinente sul-americano tem riquezas que certamente serão disputadas daqui a 50 anos", afirmou Jobim no evento, que contou com a presença do ministro da Defesa argentino, Arturo Antonio Puricelli.

Sem mencionar ameaças específicas à região, Jobim elencou a Amazônia, as terras agricultáveis da Argentina, as riquezas marítimas e os Andes entre as riquezas da América do Sul.

Jobim ainda arrancou aplausos da plateia, composta principalmente por militares, ao fazer uma defesa enfática da soberania sul-americana sobre a Amazônia.

"Quem cuida da Amazônia sul-americana para o bem de seus povos e dos povos do mundo somos nós (os sul-americanos)", disse. "Não venham se meter neste assunto!", bradou, sem, no entanto, especificar o destinatário da mensagem.

(Por Eduardo Simões)

Mais conteúdo sobre:
DEFESAJOBIMINTEGRACAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.