Jobim: não terá crise aérea, apesar da ameaça de greve

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou hoje que o Brasil não terá uma crise aérea no final deste ano, apesar de sindicatos de trabalhadores do setor estarem ameaçando fazer uma greve nos dias 24 e 25 de dezembro, reivindicando reajuste salarial. "Está tudo sob controle. O que poderá haver e o que está pretendendo haver, mas creio que não haverá, sempre são essas ameaças de final de ano em termos salariais. São as disputas dos sindicatos das empresas com as suas tripulações. Mas não creio que isso acontecerá", afirmou, após participar do seminário Internacional de Concessão de Aeroportos, realizado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). "Estamos tratando com algo estratégico do País. Portanto eu creio que os sindicatos terão a responsabilidade de se conduzir muito bem", disse Jobim. Aeronautas (pilotos e comissários) e aeroviários (serviços em terra) farão uma assembléia na terça-feira para decidir se entram em greve na véspera do Natal. Eles reivindicam aumento salarial de 9%, mas o Sindicato das Empresas Aeroviárias (Snea) oferece 7,2%.

ALBERTO KOMATSU, Agencia Estado

12 Dezembro 2008 | 18h15

Mais conteúdo sobre:
crise aérea Nelson Jobim final do ano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.