Jobim quer mais soldados no Haiti e estuda aumento a militares

O ministro da Defesa, Nelson Jobim,disse nesta quarta-feira que quer aumentar o número demilitares brasileiros no Haiti e que o governo estuda umaumento de até 35 por cento aos militares. Jobim, interrogado em uma comissão da Câmara dos Deputados,afirmou ainda que no primeiro semestre de 2008 iniciará umtrabalho de "diplomacia militar" com os países sul-americanos,para trocar informações sobre a situação do setor de defesa naregião. "Minha posição é que se deve aumentar os efetivos no Haitipara colaborar com a reconstrução (do país caribenho)", disseJobim. Cerca de 1.200 militares brasileiros integram a missão depaz da Organização das Nações Unidas no Haiti, país mais pobreda América, onde também há militares argentinos, chilenos,uruguaios, entre outros. A ONU renovou em outubro por um ano o mandato de sua forçade paz, que tem conseguido conter a ação de grupos violentosque controlavam os bairros mais miseráveis do país. Em sua exposição, Jobim disse também que o governo estudadar um aumento salarial aos militares que pode chegar até a 35por cento, e que o reajuste se aplicaria de forma escalonada.Ao ser questionado sobre as volumosas compras de armamento dopresidente venezuelano, Hugo Chávez, Jobim disse que "se aVenezuela está ou não comprando armamento é um problema dela",negando qualquer possibilidade de corrida armamentista com essepaís.

REUTERS

31 de outubro de 2007 | 16h02

Tudo o que sabemos sobre:
HAITI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.