Jogo polêmico simula vida de ilegais nos EUA

Jogador escolhe um dos personagens e vive o dia-a-dia dos imigrantes ilegais.

Da BBC Brasil, BBC

27 Fevereiro 2008 | 09h55

A organização de defesa dos direitos humanos Breakthrough, dos Estados Unidos, criou um jogo de computador que simula a vida e as dificuldades de imigrantes ilegais no país, para ressaltar o que ela considera a natureza arbitrária das leis de imigração. No jogo, cinco jovens imigrantes perambulam por uma cidade americana, aparentemente Nova York. O principal objetivo deles é virar cidadão americano, mas todos correm o risco de ser deportados para seus países de origem. Todos os personagens, entre eles um jovem mexicano em busca de um emprego e um estudante ucraniano cujo visto expirou, são baseados em histórias reais. O jogo causou polêmica por retratar os agentes dos serviços de imigração como vilões, que batem e cometem abusos contra imigrantes. DeportaçãoO videogame Iced, que na sigla em inglês significa "Eu Posso Acabar com a Deportação" também pretende propiciar o debate sobre as leis migratórias e aumentar a consciência dos americanos sobre as políticas de imigração do país. Os jogadores escolhem um dos personagens e vivem o dia-a-dia de um imigrante ilegal. Os personagens são perseguidos por funcionários da imigração enquanto enfrentam dilemas morais e respondem a perguntas sobre os mitos e realidades das atuais políticas de imigração americanas. Os personagens têm que tomar decisões difíceis, de situações comuns enfrentadas por ilegais, como se ele deve ou não reportar um crime que testemunhou. O jogo foi criado pela Breakthrough em colaboração com mais de 100 estudantes do ensino secundário, professores e organizações comunitárias de Nova York. "Infelizmente, a situação que temos hoje é que a conversa sobre imigração está centralizada nos que atravessam a fronteira sem documentos", disse ao serviço em língua espanhola da BBC Malika Dutt, a diretora executiva da Breakthrough. "É uma conversa muito negativa, em que predomina o ódio." Segundo Dutt, o jogo vai permitir que todos compreendam que "o tema da imigração diz respeito a todo mundo que vive aqui". Mas de acordo com o News Channel 3, uma afiliada da rede de TV americana ABC, o jogo é controverso, e nem todos concordam que ele seja positivo. Agentes do departamento do governo que lida com imigrantes ilegais afirmam que o jogo "infelizmente trivializa a questão", diz o canal de TV. Os agentes são mostrados como vilões no jogo, perseguindo os personagens. A advogada Karen Kler, especializada em questões de imigração e entrevistada pelo canal, diz que "pessoalmente, eu não endossaria o jogo pelo fato de que americanos gostam de saber que suas leis não são violadas. Nós gostaríamos de dar justiça social apropriada e direitos constitucionais iguais para todos que estão nos Estados Unidos, mas também gostamos de ver que as pessoas não saem por aí violando nossas leis." O Iced está dirigido a estudantes secundários e universitários, e será acompanhado por um programa a ser usado nas escolas secundárias e grupos da comunidade em debates de estudos sociais e educação cívica, e pode ser baixado gratuitamente pela Internet no site www.icedgame.com.  Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
ImigraçãoEUAgame

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.