Jordânia segue disposta a troca com Estado Islâmico para libertar piloto

A Jordânia disse neste domingo que ainda está disposta a trocar com o Estado Islâmico uma militante iraquiana presa pelo piloto jordaniano que foi capturado, mesmo depois de outro refém japonês ser decapitado pelo grupo extremista.

REUTERS

01 Fevereiro 2015 | 14h32

As agências de segurança e o Exército da Jordânia checavam constantemente para descobrir se o piloto Muath al-Kasaesbeh continuava vivo, disse o porta-voz do governo Mohammad al-Momani.

Kasaesbeh foi capturado em dezembro quando o seu jato F-16 caiu em território controlado pelos militantes na Síria.

"Ainda estamos dispostos a entregar Sajida al-Rishawi em troca do retorno do nosso filho e do nosso herói", disse Momani à Reuters.

Tem havido muita pressão da opinião pública sobre a Jordânia por causa de negociações com o Estado Islâmico, um braço da Al Qaeda que conquistou territórios na Síria e no Iraque.

Protestos eclodiram em Karak, cidade natal do piloto, que é de uma importante tribo da Jordânia que forma a espinha dorsal do apoio à monarquia Hashemita.

O governo da Jordânia também condenou a decapitação do jornalista japonês Kenji Goto, que o Estado Islâmico mostrou em um vídeo no final do sábado. Goto estava capturado junto com Kasaesbeh, mas as imagens não mencionam o cidadão jordaniano.

Um comunicado do palácio disse que o Rei Abdullah recebeu uma ligação telefônica do primeiro ministro japonês Shinzo Abe agradecendo-o pelos esforços para tentar libertar Goto "que foi morto à sangue-frio e sem nenhuma justificativa".

O monarca também teria dito que esses "atos criminosos e covardes" são repudiados por todas as leis e não têm nada a ver com o Islamismo.

O Estado Islâmico exigiu a libertação de Rishawi em troca da vida do piloto. Ela foi presa na Jordânia pelo seu papel no atentado suicida de 2005 que matou 60 pessoas na capital Amã.

Mais conteúdo sobre:
JORDANIA PILOTO ESTADOISLAMICO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.