Jornais argentinos chamam de 'vergonha' final no Morumbi

Imprensa do país destaca versão da equipe do Tigre, que teria sido agredida, apesar de domínio do São Paulo no jogo.

BBC Brasil, BBC

13 Dezembro 2012 | 12h08

A alegação dos jogadores do Tigre, que dizem ter sido agredidos no intervalo do jogo da noite de quarta-feira contra o São Paulo, pela final da Copa Sul-Americana, ganhou espaço e apoio na imprensa argentina.

No país vizinho, o incidente foi tachado de "vergonhoso" em uma "noite lamentável" no Morumbi. O Clarín, maior jornal do país, publicou em seu título "Pesadelo do Tigre: a final acabou em ataque feroz".

O tradicional jornal La Nación escreveu que "foi uma noite escura em que todos perderam, inclusive o campeão".

O São Paulo conquistou o título após dominar a etapa inicial da partida, contornar as duras faltas da equipe adversária e terminar o primeiro tempo com a vantagem de 2 a 0.

No intervalo, após um empurra-empurra entre os jogadores das duas equipes ainda em campo, os argentinos disseram ter sido agredidos e ameaçados no vestiário por seguranças do São Paulo e soldados da Polícia Militar. Em seguida, o time do Tigre se recusou a voltar para o segundo tempo da partida.

Versões

A maioria dos diários argentinos publicou como um fato a versão dos jogadores da equipe da cidade de Tigre, na região metropolitana de Buenos Aires, sem ouvir o clube brasileiro ou a Polícia Militar paulista.

Segundo os argentinos, os atletas foram espancados por seguranças do São Paulo e levaram golpes de cassetete da Polícia Militar. Um dos policiais teria colocado uma arma contra o peito de um dos jogadores. Os jornais citam as marcas de sangue no local e as lesões dos jogadores.

O canal de televisão TN entrevistou o técnico Néstor Gorosito, que mostrou o rosto inchado com marcas da suposta agressão. Em sua versão na internet, a emissora cravou: "Vergonha no Morumbi, São Paulo campeão a golpes".

O treinador disse que seu time sofreu uma "emboscada" e não retornou ao segundo tempo por falta de "garantias". Alguns jogadores argentinos prestaram queixa à polícia pela suposta agressão e passaram por exames de corpo de delito.

Mas a diretoria do São Paulo negou com veemência que seus seguranças usem armas e disse que apenas agiram para impedir que os jogadores do Tigre invadissem o vestiário são-paulino. Também acusou os argentinos de não entrarem no segundo tempo para "evitar uma goleada".

"O Tigre estava com a língua de fora. Eles iriam tomar uma goleada e fizeram um papel feio. A fuga dos argentinos é a nossa vitória maiúscula", disse o presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio.

'Truques do passado'

O diário esportivo Olé publicou em seu título "Vergonha Mundial no Brasil", apesar de destacar que o São Paulo poderia ter levado o título com sua atuação em campo.

"A baixaria foi ter festejado um título rodeado de covardia", disse o jornal. "Foi um dos maiores vexames transmitidos pela televisão nos últimos tempos. Uma imagem das (antigas) partidas em preto e branco, quando se ganhava com a tática da agressão."

O Clarín escreveu: "De insólito a vexatório, passando por vergonhoso: assim se pode classificar o incidente escandaloso envolvendo os jogadores do Tigre".

O La Nación disse que o incidente "soou como a pior expressão do esporte, em tempos em que os velhos truques do passado já eram matéria dos livros (de história)". Mas citou também a versão de Rogerio Ceni, goleiro do São Paulo, que declarou que o Tigre "veio para brigar, e não para jogar".

Para o jornal Perfil, tratou-se de uma "noite lamentável e de vexame no Morumbi".

O jornal Página12 disse que o "sonho" do Tigre acabou em um "pesadelo", classificando como "barbárie" a alegada "batalha" entre os argentinos e os seguranças e policiais no vestiário do Morumbi.

Os jornais também criticaram fortemente os dirigentes sul-americanos por darem o título ao São Paulo, após o incidente.

"Não dá para acreditar", publicou o Página12. "Em uma noite que vai ficar nas páginas negras de sua história, a Confederação Sul-Americana de Futebol coroou o São Paulo como campeão da Copa Sul-americana."

A imprensa argentina também destacou o fato de o incidente se dar a menos de dois anos da Copa do Mundo no Brasil.

"Foi tudo uma vergonha. A ilusão de (o Tigre) jogar pela primeira vez a final de um torneio internacional acabou em barbárie das mais desprezíveis", escreveu o Clarín. "Aconteceu no Brasil. E perto do Mundial." BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.