Jornalista italiano detido 'foge' para pressionar por liberdade

O redator-chefe de um jornal italiano foi novamente preso neste sábado, disse a polícia, depois de ter intencionalmente violado os termos de sua prisão domiciliar para atrair a atenção para a questão da liberdade de imprensa.

Reuters

01 Dezembro 2012 | 17h03

Alessandro Sallusti, redator-chefe do Il Giornale, um jornal da família do ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi, foi sentenciado a 14 meses em setembro por um artigo difamatório escrito em 2007, quando trabalhava em outro jornal.

Seu caso tornou-se "cause célèbre" na mídia porque o Parlamento está estudando uma lei que pode endurecer as sanções e sentenças de prisão para jornalistas condenados por difamação.

Sallusti disse que tinha violado intencionalmente os termos de sua prisão domiciliar quando saiu de sua casa para atrair a atenção para a lei, que ainda está no Parlamento.

Ele disse que queria fazer uma "provocação política". Sallusti foi mais tarde devolvido à prisão domiciliar e pode ter que enfrentar um novo julgamento por ter escapado.

Os jornalistas italianos programaram uma greve de um dia na semana passada, depois que o Senado aprovou a medida, mas adiaram a paralisação porque a lei ainda deve ser apreciada na Câmara Baixa do Parlamento, onde deve ser modificada.

(Reportage de Philip Pullella)

Mais conteúdo sobre:
JORNALISTA FUGA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.