Jornalista morre no Rio

Ganhador de prêmio Esso foi diretor do Estado

Alessandra Saraiva / RIO, O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2011 | 00h00

MEMÓRIA

AYRTON BAFFA

1934-2011

O jornalista Ayrton Baffa morreu na madrugada de sábado, aos 76 anos, no Rio de Janeiro. Autor de sete livros e ganhador de dois prêmios Esso, Baffa trabalhou como diretor da sucursal fluminense do Estado e foi secretário de redação do Jornal da Tarde.

No Estado, ganhou o prêmio Esso de Informação Econômica em 1983, com a reportagem O Escândalo da Capemi, sobre desvio de recursos do fundo de previdência privada, durante o período militar do governo de João Figueiredo. Entre os livros que publicou estão Nos porões do SNI e Sol para os mortos.

Depois de escrever uma reportagem em Conservatória, famosa pela tradição em serestas, Baffa mudou-se para a cidade, na região conhecida como Vale do Café, de onde continuou a escrever seus artigos.

Internado desde o dia 12 no Hospital Copa D"or, em Copacabana, zona sul do Rio, Baffa morreu após sofrer um choque cardiogênico - quando o coração, enfraquecido, perde a capacidade de bombear sangue.

O jornalista foi velado ontem no Cemitério São João Batista, em Botafogo, zona sul do Rio. Seu corpo será cremado na quinta-feira no crematório do Cemitério São Francisco Xavier, onde também foi cremado, em 2007, seu irmão, o jornalista esportivo Altair Baffa. Ele deixa viúva, duas filhas e dois netos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.