Joss Stone pisa no tapete persa com sucessos, chá e simpatia

Cantora fez um desfile de canções conhecidas, com praticamente todas as faixas de seu álbum mais recente, Colour Me Free

Felipe Branco Cruz, O Estadao de S.Paulo

24 de novembro de 2009 | 00h00

Esbanjando simpatia, a britânica Joss Stone, de 22 anos, encantou as quase 4 mil pessoas que foram anteontem ao HSBC Brasil, na Chácara Santo Antônio. Com apenas meia hora de atraso, às 21h30, Joss abriu a apresentação com Super Duper Love, do álbum de estreia The Soul Sessions, de 2003, seguida por It Could Have Been You e Lady. O show, no entanto, foi praticamente composto por canções do novo álbum, Colour Me Free, lançado neste ano, como Incredible, Lady, Governmentalist, I Believe It To My Soul, Big ''Ol Game, Girlfriend on Demand e Free Me.

Para compor o cenário, todos os músicos, inclusive Joss, estavam vestidos de branco. Diferentemente de sua última apresentação no Brasil, no ano passado, desta vez a cantora ficou sóbria o tempo inteiro e só bebeu chá, também em uma xícara branca. "Eu amo meu chá", disse ela.

Costume já tradicional em suas apresentações, a britânica se apresentou com um minúsculo vestido, com os pés descalços e sob um tapete persa. No pedestal do microfone, a produção prendeu uma canga com a bandeira do Brasil, presente de um fã durante o show do Rio de Janeiro, no sábado.

O tapete persa, aliás, é uma das exigências de Joss. Ela o trouxe para as apresentações no Brasil e o adereço foi colocado no palco 15 minutos antes do show. Ela pediu ainda para a produção dez dúzias de rosas brancas, massageador elétrico, quatro toalhas grandes e pedra-pomes. Tudo para cuidar dos pés que ficaram expostos.

Simpática e sorridente, em diversos momentos Joss dançou e agradeceu ao público. Até ensaiou algumas palavras em português: "Amo o Brasil, vocês são apaixonantes. Este é o melhor lugar do mundo", disse.

Com uma roupagem completamente diferente do rock seco de White Stripes, Joss também fez cover da canção Fell in Love With a Boy. Na voz de Joss, o rock ganhou ares de R&B e ficou quase irreconhecível. A interpretação sensual da cantora levantou suspiros na plateia. A canção foi o primeiro single de Joss a atingir o "top vinte" da parada britânica. Super Duper Love também já atingiu essa posição.

Com uma hora de show, Joss deixou o palco e o público pediu por bis. Ao retornar, ela cantou Big ''Ol Game e Stalemate. Ela encerrou sua apresentação às 23h40, com o cover de No Woman no Cry, de Bob Marley, enquanto jogava as rosas brancas para a plateia.

Apesar da voz de Joss sair límpida, nos momentos em que conversava com a plateia foi difícil compreender o que ela dizia. O destaque ficou para seu vocal em Girlfriend on Demand, com capacidade para impressionar até a plateia mais crítica. Outro destaque foram os solos dos músicos de apoio como do saxofonista, pianista, baterista e backing vocals. A plateia retribuiu com manifestações de carinho, jogando ursinhos de pelúcia e exibindo cartazes.

Antes, Ana Cañas fez o show de abertura. Se esforçando para ficar à vontade no palco, ainda sim, a brasileira empolgou a plateia, que estava bem receptiva. Com cabelos bagunçados e usando uma camiseta com o rosto de Kurt Cobain, Cañas encerrou sua apresentação com cover do Led Zeppelin, com a canção Rock and Roll.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.