Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Jovem diz ter sido coagido a assumir crime na Rocinha

Um menor que se apresentou a policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha na madrugada de ontem, 1, confessou ser o autor do disparo que atingiu um turista alemão na favela, na sexta-feira passada. Porém, depois voltou atrás e disse ter sido coagido a assumir o crime. O jovem de 16 anos foi encaminhado à Delegacia Especial de Apoio ao Turista (Deat), no Leblon (zona sul).

WELLINGTON BAHNEMANN, Agência Estado

02 de junho de 2013 | 17h16

Segundo informações da Polícia Civil, o menor se entregou aos policiais da UPP acompanhado de um homem que presta serviços sociais na comunidade. O jovem disse ter atirado no turista, mas, no depoimento ao delegado do Deat, Alexandre Braga, mudou a versão e negou a autoria do crime. O delegado avaliou que as informações iniciais do suspeito conflitavam com o depoimento do amigo do turista alemão que presenciou o crime. Ele acredita que o menor não é culpado. "Percebemos que havia discrepâncias muito grandes entre a versão do jovem e a do turista. Muito provavelmente esse jovem não foi o autor do disparo", afirmou o delegado.

O turista alemão Frank Daniel Baijaim, 25, foi baleado na tarde da última sexta-feira durante uma visita à comunidade da Rocinha. Baijaim e o amigo visitaram o Cristo Redentor e depois decidiram conhecer a favela. Por volta das 13 horas, eles foram surpreendidos por um homem armado em um beco, na localidade conhecida como Roupa Suja. Assustados, os turistas correram e o criminoso disparou.

Moradores da favela levaram o alemão até a sede da UPP e o turista foi removido para o Hospital Municipal Miguel Couto, onde passou por cirurgia. O alemão sofreu lesão no tórax e no fígado, e o seu estado de saúde ainda é grave, segundo a Secretaria Municipal de Saúde. Baijaim está internado na unidade semi-intensiva do hospital.

A Rocinha, pacificada em setembro de 2012, tem enfrentado episódios violentos. Em primeiro de maio, um PM lotado na UPP da favela foi baleado na Rua Um, em patrulhamento. Na véspera, PMS já haviam sido atacados por traficantes e um policial foi ferido por estilhaços.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.