Jovens com acesso à Web dormem mal, diz estudo da Unicamp

Cerca de 72% dos jovens que usam computador em casa à noite sofrem com distúrbios do sono

REUTERS

07 Agosto 2007 | 10h21

Uma pesquisa da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) descobriu que a maior parte dos jovens do País usa computadores à noite e que esse hábito está causando problemas de sono e no rendimento escolar, informou a Agência Fapesp.   A pesquisa, que entrevistou 160 adolescentes entre 15 e 18 anos, concluiu que 65% dos jovens usam computador à noite e, desse total, cerca de 76% utilizam o PC entre 18 horas e 6 horas. Enquanto isso, 90,4% utilizam nos fins de semana das 17 horas às 3 horas. "O trabalho mostrou que os adolescentes estão de fato abusando do uso do computador à noite. Os usuários apresentam elementos de distúrbios do sono e têm mais dificuldade para adormecer e para acompanhar as tarefas escolares no dia seguinte", disse Rubens Reimão, orientador do mestrado de Gema Mesquita. Ela publicou os resultados no artigo "Uso noturno de computador por adolescentes: seu efeito na qualidade de sono", que foi incluído na edição de junho da revista Arquivos de Neuro-Psiquiatria, informou a agência. "Os pais, de modo geral, acharam positiva a popularização da internet, porque ela contribui para manter o adolescente em casa, longe das drogas. Mas a pesquisa mostra que o abuso também pode ser prejudicial", afirmou o pesquisador. Usando o Indicador de Qualidade de Sono Pittsburgh (IQSP), o estudo, feito com 55 meninos e 105 meninas de dois colégios da cidade mineira de Alfenas, conclui que 72,6% dos usuários noturnos de computador dormem mal. Enquanto isso, do grupo que não usa o PC à noite, 50% têm má qualidade de sono. A média geral do IQSP foi de 5 para estudantes que não usam computadores à noite e 6,2 entre os usuários, de acordo com a pesquisa. Uma marca de até cinco pontos é considerada normal. "Mesmo entre os adolescentes que não usam computador à noite, a qualidade de sono já é ruim", disse o cientista. Entre os internautas noturnos, 43,3% têm dificuldade ou indisposição para acompanhar tarefas diurnas, contra 23,2% dos não-usuários. "A literatura mostra que a insônia é o mais comum entre os distúrbios do sono. Esses adolescentes demoram para pegar no sono e têm padrões de sono degradados, que vão de duas horas a seis horas por noite", disse o professor. A pesquisa incluiu também dados sobre a avaliação escolar dos alunos, que não foram incluídos no artigo. "Os dados apresentados na dissertação indicam que os adolescentes que abusam da Internet à noite têm notas piores e faltam mais", afirmou o professor da Unicamp à agência Fapesp. A idéia da pesquisadora Gema Mesquita agora é avaliar em sua tese de doutorado o impacto do uso noturno do PC entre o público de 18 a 25 anos de idade.

Mais conteúdo sobre:
Pesquisa Web Distúrbio do sono

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.