Juiz americano 'condena réus a aprender inglês'

Condenados de fala espanhola têm opção de pena de prisão ou aprender idioma.

Da BBC Brasil, BBC

28 de março de 2008 | 10h00

Um juiz nos Estados Unidos deu a três réus de fala espanhola uma escolha na hora de decidir a pena a que eles seriam condenados: ficar na cadeia por até 24 meses pelo crime que cometeram, ou em liberdade condicional mas aprendendo inglês, de acordo com o jornal Standard Speaker.O juíz Peter Olszewski Jr., do condado de Luzerne, no Estado da Pensilvânia, decidiu impôr a punição depois que os homens se declararam culpados por roubo e agressão. Na audiência, precisaram de um tradutor.Se optarem por aprender o idioma em vez de ir para a cadeia, Luis Reyes, Ricardo Doninguez e Rafael Guzman-Mateo deverão se submeter a um teste de inglês dentro de um ano.Se não passarem na prova, terão de voltar para a cadeia e cumprir a pena total, disse o jornal, publicado localmente.A opção foi dada a um quarto réu, Kelvin Reyes-Rosario. Mas ele continuará preso, pois já cumpre pena por envolvimento com drogas, de acordo com o Standard Speaker.Risco de voltar ao crimeA sentença causou polêmica. O Standard Speaker cita a opinião de Mary Catherine Roper, advogada da União para Liberdades Civis na Filadélfia. Ela disse que os juízes podem decidir os termos da liberdade condicional, exigindo, se quiserem, que o réu consiga um emprego, termine os estudos ou participe de programas de recuperação para viciados em drogas. Mas, segundo Roper, cada uma dessas condições reduzem o risco de reincidência para um criminoso. "Não estou ciente de nenhuma evidência de que aprender inglês ajude alguém a não se meter em encrenca", afirmou.Já o delegado da região, Robert Ferdinand, citado no artigo do Standard Speaker, vê aplicação prática no aprendizado do idioma que, para ele, seria "uma demonstração de interesse em ser, de alguma forma, um membro produtivo da nossa sociedade"."Aprender inglês dá a eles uma oportunidade de fazer algo mais do que se envolver em atividade criminosa, pois eles já têm um déficit educacional."BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.