Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Juíza é morta a tiros dentro do Fórum de Alto Taquari-MT

A juíza Glauciane Chaves de Melo foi morta a tiros dentro do Fórum de Alto Taquari, a 479 quilômetros de Cuiabá, por volta das 11 horas desta sexta-feira. De acordo com a assessoria do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), o principal suspeito é o ex-marido dela, Evanderly de Oliveira Lima. Glauciane tomou posse como juíza em Mato Grosso em 15 de junho.

FÁTIMA LESSA, Agência Estado

07 de junho de 2013 | 16h25

Segundo a assessoria do TJMT, Lima entrou no gabinete dela, ao qual tinha livre-acesso, e teve início uma discussão. Logo depois, foram ouvidos disparos. Ele fugiu correndo do local, a pé. Glauciane foi socorrida e encaminhada a um hospital da cidade, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

O segurança do Fórum perseguiu Lima e fez alguns disparos na direção dele, que se escondeu num matagal. Lima, que também era Belo Horizonte, trabalha como enfermeiro do Hospital Municipal de Alto Taquari. O contrato de união estável firmado entre o casal foi dissolvido em 21 de janeiro, mas eles estavam separados desde 10 de dezembro. O casal não tinha filhos.

O presidente do TJMT, desembargador Orlando Perri, viajou para Alto Taquari para acompanhar de perto as investigações. Antes da viagem, Perri decretou luto oficial em todo o Poder Judiciário por três dias (a partir desta sexta-feira). Glauciane morava em Belo Horizonte até tomar posse como juíza em Mato Grosso. Classificada no concurso público, ela escolheu a Comarca de Alto Taquari para atuar. Na ocasião, Glauciane informou que fez a escolha levando em consideração ser uma comarca tranquila, com um bom número de servidores.

A Associação Mato-Grossense de Magistrados (Amam), em nota, lamentou o assassinato. O presidente da entidade, desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha, designou que o juiz José Arimatea Neves Costa, que é membro do Departamento de Defesa de Prerrogativas da Amam, acompanhe o caso.

Tudo o que sabemos sobre:
juízaassassinato

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.