Juízes do DF negam troca de favores

Citados em gravações, corregedor Pinheiro e desembargador Neiva contestam haver tráfico de influências no TJ

BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

05 Dezembro 2009 | 00h00

Dois dos três desembargadores do Tribunal de Justiça (TJ) do Distrito Federal citados em gravações da Operação Caixa de Pandora garantiram que não prestaram favores ao governador José Roberto Arruda (DEM).

Em entrevista coletiva ontem, eles disseram que votaram a favor da abertura de processos contra o ex-secretário Durval Barbosa, autor de gravações incluídas no inquérito nas quais é revelada a distribuição de grandes quantias de dinheiro.

O corregedor Getúlio Pinheiro e o desembargador Romeu Gonzaga Neiva negaram que houvesse tráfico de influências, apesar de terem sido citados nas gravações.

Pinheiro e Neiva encaminharam as informações à Corregedoria do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), órgão que exerce o controle externo do Judiciário. No início da semana, a corregedoria abriu procedimento para investigar se os dois e o desembargador José Cruz Macedo tiveram envolvimento com o esquema conhecido como o mensalão no governo de José Roberto Arruda.

Cruz Macedo não participou da entrevista de ontem. De acordo com a assessoria do TJ, ele ainda preparava as informações que serão encaminhadas ao CNJ. Numa das conversas gravadas, um dos principais auxiliares de Arruda conta que Cruz Macedo teria pedido para que um sobrinho, que é médico, fosse transferido de um hospital da periferia para um central, de grande porte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.