Julgamento sobre censura deve ocorrer hoje

Ministros do Supremo vão analisar pedido de liminar do 'Estado' contra decisão do TJ-DF

Mariângela Gallucci, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

10 Dezembro 2009 | 00h00

O Supremo Tribunal Federal (STF) adiou para hoje o julgamento do pedido de liminar apresentado pelo Estado com o objetivo de acabar com a censura que impede o jornal há 132 dias de publicar reportagem sobre a Operação Boi Barrica, da Polícia Federal, que investigou o empresário Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP).

O julgamento estava marcado para ontem, mas foi adiado porque o tribunal precisou de três horas para julgar uma reclamação sobre a eleição para presidente do Tribunal Regional Federal (TRF) da 3ª Região. Quando os ministros retornaram de um intervalo, já eram 18 horas e o presidente da corte, Gilmar Mendes, anunciou que, "diante do adiantado da hora", o julgamento ficaria para hoje.

Sob pena de multa diária, o Estado não pode publicar as informações que obteve sobre a Boi Barrica, por causa de uma determinação do desembargador do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJ-DF) Dácio Vieira. Reportagem publicada na época mostrou que Vieira é do convívio social da família Sarney e também do ex-diretor-geral do Senado Agaciel Maia.

Ao rejeitar um dos recursos apresentados pelo jornal, Vieira fez duras críticas ao Estado. Com base nesses argumentos, o desembargador foi considerado suspeito para julgar o caso. Depois, o próprio TJ-DF se declarou incompetente para decidir sobre a mordaça e remeteu o processo para a Justiça do Maranhão, em decisão criticada por diversos juristas.

RECURSOS

Ao todo, os advogados do jornal já recorreram até agora cinco vezes para tentar derrubar a censura. Na última, o Estado pediu uma liminar no Supremo com base na decisão de abril do tribunal que derrubou a Lei de Imprensa e fixou o entendimento de que é plena a liberdade de imprensa, não sendo, portanto, admitida a censura.

No julgamento da Lei de Imprensa, o Supremo concluiu que a legislação era incompatível com a atual Constituição Federal, de 1988, e destacou que a censura era inadmissível.

Na decisão, houve uma referência explícita à censura procedente do Poder Judiciário. "Não há liberdade de imprensa pela metade ou sob as tenazes da censura prévia, inclusive a procedente do Poder Judiciário", diz o texto.

No último dia 19, o relator do último recurso do jornal, ministro Cezar Peluso, preferiu não decidir sozinho o pedido de liminar e levou o caso para o plenário do STF, integrado por 11 ministros. Já o empresário Fernando Sarney protocolou uma petição pedindo que a censura seja mantida pelo Supremo.

Liminar do Tribunal de Justiça do DF em ação movida por Fernando Sarney proíbe o jornal de publicar dados sobre a investigação da PF acerca de negócios do empresário, evitando assim que o "Estado" divulgue reportagens já apuradas sobre o caso

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.