Júri premia paixão italiana por reality shows

Houve grandes perdedores em Cannes, 2012. Jacques Audiard, Walter Salles, Alain Resnais, David Cronenberg. E houve boas surpresas, como a vitória de Matteo Garrone. O autor de Gomorra voltou à Croisette com Reality, sobre a fascinação dos italianos pelos reality shows. O filme estrutura-se na extraordinária atuação de Aniello Arena, um presidiário cooptado pelo cinema (e que permanece preso na Itália).

CANNES , O Estado de S.Paulo

28 Maio 2012 | 03h08

Mesmo olhando criticamente a sociedade italiana e sua fascinação pelas celebridades, Garrone disse a um grupo de jornalistas, integrado pelo repórter do Estado, que não quis fazer uma condenação social. "Uma sátira, talvez, mas nunca um retrato negativo. O personagem é muito forte e eu tive a sorte de encontrar um ator extraordinário. Reality é, para mim, muito mais um caso, um estudo de personagem, e eu estou apaixonado por ele."

Para o diretor, o filme não deixa de encerrar seu tributo ao grande cinema italiano. "Depois de Gomorra, procurei durante algum tempo um tema que pudesse causar o mesmo impacto, mas me dei conta de que seria um erro e, fatalmente, provocaria comparações que poderiam ser negativa. Essa história tem ressonância social, mas foi sua humanidade que me atraiu. Quis contá-la como uma fábula, e a iluminação e a música me ajudaram muito. A trilha de Alexander Desplat homenageia Fellini. Isso pode parecer pretensão de nossa parte, mas foi só um filme feito com carinho - por Nápoles, por seus habitantes, por Aniello."

Quando concedeu a entrevista, Garrone ainda não sabia que seria premiado. O grande prêmio fecha um ciclo que começou em Berlim, com o Urso de Ouro atribuído a Cesare Deve Morire, dos irmãos Taviani. Cesare é sobre detentos (de verdade) que montam o Júlio César, de Shakespeare, numa cadeia italiana. "Não escolhi Aniello porque poderia acrescentar à mídia do filme, mas porque ele era a melhor escolha para o papel. Para um criminoso, é um doce de pessoa e tem um grande talento. Espero que o filme leve as pessoas a ter outro olhar - para as celebridades da TV e os presidiários, que merecem respeito." / L.C.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.