Justiça autoriza mafioso a inseminar artificialmente a mulher

O chefe mafioso Salvino Madonia, condenado à prisão perpétua por assassinato, foi autorizado pela Justiça a inseminar artificialmente sua mulher, já que está proibido por lei de manter relações sexuais com ela, informou nesta quinta-feira a imprensa siciliana.Madonia está preso desde 13 de dezembro de 1991, pelo assassinatodo empresário Libero Grassi, que se negou a pagar as extorsõesexigidas pela organização criminosa Cosa Nostra aos donos dosnegócios da Sicília.O chefe mafioso se casou com Mariangela Di Trapani, filha deoutro criminoso, Francesco Di Trapani, que morreu foragido.O casamento foi celebrado na própria prisão em que Grassi estádetido, em 23 de maio de 1992, mesmo dia em que foi assassinado ojuiz antimáfia Giovanni Falcone, em um brutal atentado que matoutambém sua mulher e seguranças.Oito anos depois do casamento, a mulher teve o primeiro filho deMadonia, em circunstâncias ainda não esclarecidas.Segundo algumas versões, o filho teria nascido a partir do sêmendo mafioso congelado antes de sua detenção. Essa explicação, noentanto, não convenceu a Justiça, que averigua se Madonia obteveajuda de funcionários para enviar, para fora da prisão, provetas comseu líquido seminal.A autorização dada agora pelo juiz permitirá que Madoniainsemine a mulher, embora o chefe mafioso não vá poder deixar aprisão para a entrega do sêmen.Embora a inseminação tenha sido autorizada em 2004, ainda não havia sido realizada pois a lei de fecundação assistida italiana não éválida para casais que são férteis.No entanto, o advogado de Madonia alegou que seu cliente está emuma situação semelhante à de uma pessoa estéril, pois estáimpossibilitado de manter relações sexuais com sua mulher, proibiçãoque na Itália se aplica aos condenados à prisão perpétua.

Agencia Estado,

06 de julho de 2006 | 17h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.