Justiça autoriza presença da Força Nacional de Segurança em Belo Monte

A Força Nacional de Segurança Pública foi autorizada pelo Ministério da Justiça a atuar na região onde está sendo construída a usina hidrelétrica Belo Monte, no Pará, pelo prazo de até 90 dias, para evitar que ocupações atrasem a obra.

Reuters

25 de março de 2013 | 15h10

A presença da Força Nacional foi pedida pelo ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, segundo portaria no Diário Oficial da União. O Ministério da Justiça confirmou que o pedido é para evitar a paralisação da obra.

O prazo da permanência da Força de Segurança na região da usina pode ser prorrogado, se necessário, segundo a autorização no Diário Oficial.

Na semana passada, a obra em um dos canteiros da usina chegou a ficar paralisada por cerca de um dia depois que aproximadamente 60 índios, ribeirinhos e colonos ocuparam o local. Eles pediam esclarecimentos e cumprimento, pela Norte Energia, de ações relacionadas à construção da usina.

Representantes da Força Nacional chegaram a ir ao local, naquela ocasião, conforme informações da assessoria de imprensa da Norte Energia, na época.

Atualmente, as obras na usina estão funcionando normalmente, segundo informações do Consórcio Construtor Belo Monte, e não há integrantes da Força Nacional fixos no local.

A ocupação da semana passada foi apenas uma de muitas que aconteceram na região, desde que a hidrelétrica começou a ser construída. Outras manifestações e ocupações envolveram também trabalhadores da usina.

A hidrelétrica é um empreendimento da Norte Energia, empresa que tem entre os acionistas a Eletrobras, os fundos Petros e Funcef, Neoenergia, Cemig e Light. A expectativa é de que a usina entre em operação em 2015 e tenha cerca de 11 mil megawatts (MW) quando estiver totalmente concluída.

(http://www.in.gov.br/visualiza/index.jsp?data=25/03/2013&jornal=1&pagina=44&totalArquivos=112)

(Por Anna Flávia Rochas e Leonardo Goy)

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIABELOMONTESEGURANCA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.