Justiça condena 2 por vender celulares clonados ao PCC

A juíza Isaura Cristina Barreira, da 30ª Vara Criminal da capital paulista, condenou dois integrantes de uma quadrilha especializada em abastecer o Primeiro Comando da Capital (PCC) com celulares clonados. O grupo foi desmantelado em julho do ano passado pelo Grupo de Atuação de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público Estadual. Segundo o promotor José Reinaldo Carneiro, do Gaeco, nos 20 meses em que agiu o grupo fraudou a operadora Vivo em pelo menos R$ 329 mil.O esquema contava com a cooperação de uma funcionária de uma prestadora de serviços da operadora, Priscila Ferreira dos Santos Correa, que foi condenada a 3 anos e 4 meses de prisão, em regime semi-aberto, por furto qualificado. O ex-estudante de Engenharia Heitor Belucci Agrícola, responsável por efetivar a habilitação dos celulares, também foi condenado. Ele terá de cumprir 4 anos e 4 meses de reclusão, em regime fechado, por furto qualificado e formação de quadrilha. Os dois ainda podem recorrer da sentença no Tribunal de Justiça. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

AE, Agencia Estado

29 de abril de 2008 | 09h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.