Justiça condena estudante por maltratar gato em SP

Estudante terá de pagar multa de R$ 200 em fraldas geriátricas por ter agredido um gato no ano passado

SIMONE MENOCCHI, Agencia Estado

03 de outubro de 2007 | 18h30

O estudante universitário Guilherme Lobato de Abreu, de 26 anos, foi condenado pela Justiça de Taubaté a pagar multa de R$ 200 em fraldas geriátricas por ter agredido um gato no ano passado. A decisão foi do juiz Eduardo Sugino, da 2ª Vara Criminal de Taubaté. O estudante do curso de Direito teria agredido a gata que dormia próximo ao portão de sua casa em novembro de 2006. "Ele a pegou pelo rabo, rodou, rodou e atirou contra a parede. A gata perdeu os dentes e teve fratura nas patas", contou o dono do animal, Waldir Augusto Nascimento. Indignado, Nascimento decidiu denunciar o agressor à Sociedade de Proteção aos Animais de Taubaté que encaminhou o caso à Justiça. Na época foram tiradas fotos e radiografias que comprovam o estado de saúde do animal, que passou por cirurgia pra a colocação de platina nas patas e ficou 40 dias em cativeiro para a recuperação. "Na época eu trabalhava de madrugada em uma fábrica e acabei perdendo o emprego para cuidar dela", disse o dono. Apesar do tratamento, que custou cerca de R$2 mil segundo o proprietário, a gata, chamada Chiquinha, ficou com seqüelas e hoje, apesar da recuperação, caminha com dificuldade. Para a Sociedade de Proteção aos Animais a sentença judicial foi ínfima. "Deveria ser uma prestação de serviço à entidade que cuida dos animais e uma punição mais severa", argumentou a representante Andréa Alves dos Santos. O resultado do processo revoltou o proprietário do animal. "Foi uma grande maldade e essa decisão eu não aceito. Vou recorrer".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.