Justiça decide arquivar caso de eutanásia em italiana

Pedido de arquivamento foi feito após perícia médica que constatou danos 'irreversíveis' no cérebro da Eluana

Efe,

11 de janeiro de 2010 | 14h44

O juiz de instrução Paolo Milocco, do Tribunal de Udine (Itália), arquivou nesta segunda-feira, 11, a investigação sobre o caso da italiana Eluana Englaro, que passou 17 anos em estado vegetativo e morreu em fevereiro passado após ter os aparelhos que a mantinham viva desligados.   Veja também: Pai relata em livro luta pela morte da italiana Eluana Perguntas e respostas: entenda o caso  Veja tudo que foi publicado sobre o caso    O juiz decidiu acolher a proposta apresentada em 26 de novembro pela Promotoria de Udine para arquivar o caso, em que era investigada a atuação do pai da italiana, Giuseppe Englaro.   A Promotoria de Udine decidiu abrir uma investigação por homicídio voluntário em fevereiro passado, perante as várias denúncias recebidas após a morte de Eluana.   Junto a Giuseppe Englaro, investigado sob a hipótese de homicídio voluntário, eram questionadas outras 13 pessoas, entre elas o anestesista Amato De Monte.   A Promotoria pediu em 16 de novembro o arquivamento do caso depois que a perícia feita no cérebro da jovem estabeleceu que os danos eram "irreversíveis".   Eluana Englaro morreu aos 38 anos após ter a alimentação e a hidratação artificial cortadas, como tinha sido autorizado pela Suprema Corte da Itália a pedido da família.   O nome de Eluana Englaro, que sofreu um acidente de trânsito em 1992, virou centro de um grande debate na Itália sobre eutanásia e também a respeito do desacordo entre a Suprema Corte, que permitiu sua morte, e o Governo, que tentou impedir o avanço do processo.

Tudo o que sabemos sobre:
eutanasiaItaliaEluana Englaro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.