Justiça do Rio manda professor voltar ao trabalho em 48h

A Justiça do Rio determinou nesta segunda-feira, 2, que os professores da rede municipal de ensino da capital fluminense, em greve desde o dia 8, voltem ao trabalho em 48 horas. Se a decisão não for cumprida, o Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Rio (Sepe-RJ), entidade que representa a categoria, será multado em R$ 200 mil por dia em que a ordem for desrespeitada. O dinheiro será revertido para o Fundo Municipal de Educação.

FÁBIO GRELLET, Agência Estado

02 de setembro de 2013 | 20h40

A decisão foi emitida de forma liminar (provisória) pelo desembargador Antônio Eduardo Ferreira Duarte, do Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ), em ação movida pela Prefeitura do Rio. O sindicato informou, ontem à noite, que ainda não havia sido notificado da decisão. A próxima assembleia da categoria está marcada para as 14 horas desta terça-feira ,3, na Lapa (região central).

A prefeitura do Rio atendeu à maioria das reivindicações da categoria. Os professores pediram 19% de aumento e o prefeito Eduardo Paes (PMDB) ofereceu 15,29%. Ele também se comprometeu a encaminhar para votação na Câmara Municipal em 30 dias o plano de cargos e salários, abonar os dias parados, devolver os valores descontados e reduzir a carga horária dos funcionários administrativos de 40 para 30 horas. Os professores ainda cobram mudanças pedagógicas e um cronograma com prazos para essas alterações, entre outras reivindicações que levaram à manutenção da greve.

Mais conteúdo sobre:
ProfessoresgreveRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.