Justiça do RJ obriga internação de viciada em crack

A Justiça do Rio de Janeiro determinou a internação, no prazo máximo de 48 horas, de uma mulher viciada em crack para realização de avaliação médica e psicológica. A mulher deverá ser internada, ainda que contra sua vontade.

MARÍLIA LOPES, Agência Estado

25 de abril de 2011 | 15h38

A decisão é do juiz Ricardo Coimbra da Silva Starling Barcellos, da 13º Vara de Fazenda Pública do Rio. A ação foi proposta pelo avô da dependente química, que mora em Botafogo, na zona sul da capital fluminense.

O juiz argumentou que, no caso de dependentes de crack, a liberdade do viciado de tomar decisões por conta própria está restringida pela droga. "O usuário é um escravo da substância entorpecente. Apenas tenta desesperadamente suprir a sua necessidade", disse Barcellos.

O magistrado entendeu que a responsabilidade pelo tratamento da jovem é do Estado, mesmo que ela não queira o tratamento. A família da mulher tem enfrentado dificuldades de tratá-la. "Se a liberdade já está restringida, nada impede que o Estado ou o município conduza a paciente a uma clínica para realizar um exame médico detalhado", explicou o juiz.

Mais conteúdo sobre:
drogassaúdeinternação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.