Justiça estende prisão de Fritzl por mais dois meses

Decisão permite que inquérito reúna mais provas contra austríaco que admitiu incesto.

Da BBC Brasil, BBC

06 de junho de 2008 | 13h12

Um juiz na Áustria estendeu por mais dois meses a detenção de Josef Fritzl, acusado de manter sua filha, Elizabeth, presa em um porão durante 24 anos e ter sete filhos com ela.Bethany Bell, repórter da BBC em Viena, diz que a decisão foi tomada em uma sessão fechada em St. Poelten, perto da prisão onde Fritzl está sendo mantido desde que foi detido no final de abril.Um porta-voz da promotoria, Gerhard Sedlacek, afirmou que o advogado de Fritzl, Rudolf Mayer, não contestou a decisão.A extensão do período de detenção de Josef Fritzl dará à promotoria mais tempo para reunir provas. Sedlacek afirma que é provável que Fritzl seja indiciado apenas em setembro. O porta-voz acrescentou que a promotoria espera iniciar as entrevistas com Elizabeth Fritzl e o resto da família no começo de julho, mas isso dependerá do estado de saúde dos familiares.Mais um mêsEm maio, a prisão de Josef Fritzl já tinha sido estendida por mais um mês depois de uma audiência de 15 minutos em St. Poelten.O advogado dele, Rudolf Mayer, disse em uma entrevista na ocasião que seu cliente teria admitido ter estuprado a filha repetidamente. Mayer contou ainda que Fritzl disse ter encarcerado Elisabeth, em 1984, para protegê-la do mundo exterior, como uma forma de controlar o comportamento da filha, depois que "ela quebrou todas as regras" no início da puberdade. Fritzl também teria repetido na ocasião a alegação de que havia instalado um dispositivo nas portas do cativeiro que faria com que elas se abrissem depois de um determinado tempo caso ele morresse.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.