Justiça nega liberdade a acusados de pedofilia no RS

A 7ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça (TJ) do Rio Grande do Sul negou o pedido de liberdade provisória de André Ricardo Lisboa Herdy e Cleci Jaeger, acusados de integrarem quadrilha de exploração sexual de menores em Taquara, e que estariam vinculados ao casal de norte-americanos, Frederic Calvin Louderback e Bárbara Louise Anner. Eles foram denunciados por atentado violento ao pudor, corrupção de menores e formação de quadrilha para cometer delitos contra crianças e adolescentes. A sentença foi dada na quinta-feira e anunciada hoje. André e Cleci foram detidos no dia 11 de dezembro junto com o casal de norte-americanos e tiveram a prisão preventiva decretada três dias depois. Segundo policiais que participaram da operação, o norte-americano, que já havia sido preso por abuso de menor na Califórnia em 1980, comandava o esquema, que contava com a participação de sua mulher e do casal de brasileiros. A polícia obteve os mandados de prisão depois de dois meses seguindo pistas dadas por um informante de Porto Alegre e por moradores da Comunidade Naturista Colina do Sol, um condomínio de nudistas que tinha os norte-americanos como moradores e os brasileiros como ex-moradores. Policiais infiltrados na comunidade descobriram que o casal norte-americano promovia festas com menores numa casa que o casal brasileiro tinha fora do condomínio. No TJ-RS, a defesa dos brasileiros solicitou pedido de liberdade alegando inexistirem indícios do envolvimento deles nos crimes. A defesa destacou que, apesar da gravidade dos delitos atribuídos a eles, não estão presentes os requisitos da preventiva por serem primários e não registrarem antecedentes.O relator do caso, o desembargador Alfredo Foerster, declarou que há provas e indícios da autoria dos crimes. "Ao contrário do que sustenta o impetrante, os fundamentos do decreto de prisão atacado não se revelam como meras conjecturas do magistrado. Encontram, sim, forte respaldo na prova colhida no feito; sendo a prisão provisória medida que se impunha", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.