Justiça proíbe passeata de policiais em greve em PE

O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) determinou a proibição de passeata dos policiais civis em greve, programada para a tarde desta quarta-feira, pelo centro do Recife, sob a alegação de possibilidade de "lesão da ordem pública" e incitação "à desobediência civil e criação de tumulto". A decisão foi tomada pelo desembargador Silvio de Arruda Beltrão, que já havia declarado a ilegalidade da greve, deflagrada há nove dias. Ele solicitou ao comando da Polícia Militar o efetivo necessário para impedir a mobilização.

ANGELA LACERDA, Agência Estado

01 de agosto de 2012 | 11h56

O presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Estado (Sinpol), Claudio Marinho, garantiu que a passeata vai ocorrer e classificou a determinação do desembargador de "irresponsável". Ele afirmou que se houver confronto entre as polícias a responsabilidade será do governador Eduardo Campos e do desembargador Silvio Beltrão.

A passeata vai anteceder assembleia para decidir os rumos da greve. A categoria reivindica 65% de reajuste salarial e melhores condições de trabalho e segurança. O governo anunciou que não há o que negociar, pois foi firmado um acordo para o período 2011/2014 prevendo um aumento de 47,4%, que será cumprido.

A greve foi definida como ilegal logo depois de deflagrada e na sexta-feira o Sinpol recorreu da decisão. Pernambuco tem cerca de seis mil policiais. O salário inicial da categoria é de R$ 2,6 mil.

Tudo o que sabemos sobre:
grevepoliciaisPE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.