Kassab dará início a túnel da Imigrantes

Uma das maiores e mais polêmicas obras planejadas pela gestão Gilberto Kassab (PSD) terá início poucos dias antes do término do mandato do prefeito. Anunciado há mais de três anos, o túnel de 2,3 quilômetros que ligará a Avenida Jornalista Roberto Marinho à Rodovia dos Imigrantes, na zona sul da cidade, deve começar a ser construído neste mês, o último da atual administração. Contudo, grande parte das desapropriações ainda não foi realizada.

CAIO DO VALLE, Agência Estado

06 Dezembro 2012 | 10h00

A Licença Ambiental de Instalação (LAI) do empreendimento foi publicada na quarta-feira 905) pela Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente. Essa era a última etapa a ser vencida para que os quatro consórcios que executarão o projeto pudessem montar os canteiros. Os trabalhos têm previsão de entrega de dois anos, a partir do início das obras. Na quarta-feira (05), a ordem de serviço ainda não tinha data para sair.

No total, os gastos com o projeto chegam a R$ 2,4 bilhões. Além do túnel, o empreendimento incluirá a construção de um parque linear de 3,4 quilômetros de extensão, além de viadutos. Milhares de moradores serão desapropriados para que suas casas, em bairros e favelas no caminho, possam dar lugar ao parque.

Além disso, a São Paulo Obras (SPObras), empresa municipal responsável pela execução do projeto, reservará espaço para a implementação da estrutura elevada do monotrilho da Linha 17-Ouro. Uma parte do futuro ramal, de propriedade da Companhia do Metropolitano (Metrô), depende do parque para poder chegar à Estação Jabaquara, onde se conectará à Linha 1-azul.

Entre as 65 exigências feitas pela Secretaria do Verde na LAI estão a entrega, antes do início das obras, da manifestação do Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat) sobre possíveis impactos ambientais provocados em bens tombados, como o Sítio da Ressaca e o Terreiro Ache Ilê Oba.

Desapropriações

A avaliação de que a obra pode começar em breve é da SPObras. Entretanto, moradores da região afetada creem que ela vai demorar para sair do papel. É o caso do técnico Marcos Munarim, do Movimento Não Desapropriação. "A Prefeitura está desesperada, mas ainda tem de tirar todo o pessoal de lá. Isso é tudo pressão para que o próximo prefeito chegue e diga que não tem como parar."

Segundo ele, cerca de 2 mil casas deverão ser tiradas. Além disso, em torno de 10 mil famílias terão de sair de favelas da região. "Levará anos para conseguirem desapropriar tudo." Para os desalojados, deverão ser construídas moradias para quase de 8 mil famílias que hoje ocupam áreas de várzea e de risco nas imediações.

Para a urbanista Ermínia Maricato, professora de pós-graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP), o modelo adotado pela Prefeitura para reurbanizar a região é criticável. "O grande negócio da cidade atualmente, e creio que estamos andando para trás em termos de igualdade social, é exatamente produzir localizações valorizadas. O que vai é agregar valor em um mercado especulativo e quem é pobre vai ter de sair."

Já a Prefeitura se defende, alegando que, além de benesses para o viário, a intervenção vai ajudar a solucionar problemas de drenagem do Córrego Água Espraiada. Outro aspecto apontado pela administração municipal é justamente a melhoria habitacional para quem vive em cortiços e favelas, "além da criação e da recuperação de áreas verdes públicas e privadas". As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Mais conteúdo sobre:
túnel Imigrantes Kassab

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.