Kassab salta de desconhecido para o centro do palco no 2o turno

O prefeito Gilberto Kassab (DEM) deu um salto e tanto nesta eleição. De um quase desconhecido dos eleitores, apesar de comandar a maior cidade do país há mais de dois anos, ele nem precisou esperar a abertura das urnas neste domingo para comemorar a vitória. Nas pesquisas divulgadas na véspera da votação, Kassab aparecia com ampla vantagem sobre a ex-prefeita Marta Suplicy (PT). "Ele saiu do nada, é quase um estranho", disse Ângelo Rodrigues, 64, aposentado que vota no colégio estadual Lasar Segall, na Vila Mariana. "Mas mesmo assim vou votar nele, porque fez muito por São Paulo." "Ele subiu muito rápido. Embora eu vá votar na Marta, eu acho que isso é uma qualidade", disse Belizário Carvalho, 24, operador de laboratório. Mas nem todo mundo vê com bons olhos o fato de ele ser pouco conhecido e ter chegado ao comando da cidade apenas porque o então prefeito, José Serra (PSDB), renunciou para disputar o governo do Estado. "Ele caiu de pára-quedas na prefeitura", reclamou Anunciata Fernandes, 58, também aposentada, que iria votar em Marta. Os eleitores de Kassab argumentam, porém, que o trabalho feito à frente da prefeitura interessa mais do que se ele é pouco ou muito conhecido. "Nunca conheci o trabalho dele antes de ser vice do Serra. Votei na Marta em 2004 e quase votei nela no primeiro turno. Mas, na última hora, na fila mesmo, decidi votar no Kassab". disse Maria Helena da Silva, educadora de 51 anos que adentrava o colégio professor Alberto Conte, em Santo Amaro. "A merenda melhorou na creche onde trabalho." O desconhecimento sobre o prefeito diminuiu muito com a campanha eleitoral. No horário gratuito de TV, Kassab aproveitou bem o tempo para mostrar o que fez durante sua gestão. Mas a mesma TV deu ao PT a chance de bater na tecla da participação de Kassab na gestão do ex-prefeito Celso Pitta, como secretário do Planejamento. "Não gosto das companhias dele", disse Ariadne de Souza, bancária de 26 anos, referindo-se a esse passado. "O fato dele ser do DEM (ex-PFL) também contribui para a minha desconfiança", acrescentou Ariadne, que votou em Marta. "É CASADO? TEM FILHOS?" Sobre a campanha, mais do que qualquer outra coisa, o que chamou mais a atenção foi a polêmica propaganda que perguntava se Kassab era casado e tinha filhos. Aparentemente pensada como uma forma de despertar dúvidas entre os eleitores sobre a vida pessoal do prefeito, ela acabou tendo um "efeito bumerangue", se voltando contra Marta. "Eu sempre votei no PT. Mas, dessa vez, ela perdeu meu voto", disse Dirson da Silva, 57, técnico de automação industrial, citando especificamente essa propaganda como motivo da mudança de voto. "A vida dele não interessa a ninguém", disse Ariadne. "O que interessa é o trabalho dele na prefeitura." Mesmo votando em Marta, Raimundo Fernandes, vendedor ambulante de 24 anos, também reclamou da propaganda polêmica. "Ela estava bem treinada, falou bem, mas não devia ter se metido na vida particular dele", disse. De qualquer modo, tirando ganhos e perdas eleitorais para esse ou para aquele, as agora famosas perguntas "É casado? Tem filhos?" acabou virando uma espécie de piada que deve durar muito mais do que qualquer outra lembrança da campanha paulistana deste ano.

MARJORIE RODRIGUES, REUTERS

26 de outubro de 2008 | 16h01

Tudo o que sabemos sobre:
ELEICOESSPDESCONHECIDO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.