Kerry diz que Assad não pode fazer parte de transição na Síria

O presidente sírio, Bashar al-Assad, não pode ter qualquer participação em um governo de transição porque perdeu a legitimidade para governar, disse o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, nesta quarta-feira, na abertura da conferência internacional que busca encerrar a guerra civil na Síria.

Reuters

22 de janeiro de 2014 | 07h46

Kerry disse que a reunião realizada na cidade suíça de Montreux é um teste para a comunidade internacional encontrar uma solução para o conflito na Síria.

"Vemos apenas uma opção, negociar um governo de transição nascido por mútuo consenso", disse Kerry. "Isso significa que Bashar al-Assad não será parte do governo de transição. Não há maneira, nenhuma maneira possível, para que um homem que tem liderado uma resposta brutal contra seu próprio povo possa recuperar a legitimidade para governar."

As negociações internacionais de paz para tratar da guerra civil de quase três anos começaram em Montreux, perto de Genebra, nesta quarta, com um discurso do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

Estão presentes à conferência delegações do governo do presidente sírio e de grupos da oposição síria exilada, além da ONU, Estados Unidos e Rússia.

(Reportagem de Lesley Wroughton)

Mais conteúdo sobre:
SIRIACONFERENCIAKERRYASSAD*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.