Ladrão de banco obtém semi-aberto após 3ª fuga no RS

Juiz decidiu conceder benefício após o acusado se apresentar voluntariamente à Justiça

AE, Agencia Estado

22 de outubro de 2007 | 18h12

Cláudio Adriano Ribeiro, conhecido como Papagaio , recebeu nesta segunda-feira, 22, do juiz Fernando Flores Cabral Júnior, da Vara de Execuções Criminais de Porto Alegre, o benefício de dar continuidade ao cumprimento de sua pena em estabelecimento do regime semi-aberto.   Acusado de ser um dos maiores assaltantes de banco da região Sul, Papagaio estava cumprindo pena em regime fechado na Penitenciária Estadual do Jacuí, mas fugiu na noite de sábado. Por meio de seu advogados, o detento foragido mandou avisar que se apresentaria à Justiça.   Foi essa atitude que levou o juiz a proferir sua decisão. Foi alegado o fato de Ribeiro "ter se apresentado voluntariamente à Justiça, justificando a fuga pelo risco de vida que sofria". O juiz disse ainda que deve ser resguardada "sua integridade física e segurança" e determinou a instauração de Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD) no prazo de 30 dias para investigar a fuga.Papagaio começou a cumprir uma pena de mais de 36 anos de cadeia em 1998, mas fugiu da Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas no ano seguinte. Ele só foi recapturado em 2000. Iniciou então uma luta para passar ao regime semi-aberto, conseguindo o benefício em 2006. O preso ficou no albergue anexo à prisão de Jacuí por pouco mais de dois meses, antes de fugir uma segunda vez.Novamente capturado em novembro do ano passado, Papagaio ganhou o benefício do semi-aberto novamente em maio de 2007. Mas o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul determinou sua volta ao regime fechado. Ele recorreu e o Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou novamente sua volta ao regime diferenciado no mês passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.