Lagarde diz apoiar mais poder para China no FMI

A ministra francesa das Finanças, Christine Lagarde, principal candidata para chefiar o Fundo Monetário Internacional (FMI), disse que apoia um poder maior para a China na instituição e deixou claro que a crise de dívida da zona do euro será prioridade se ela conseguir o cargo.

REUTERS

09 Junho 2011 | 07h33

Lagarde falava em Pequim, na última etapa de sua viagem mundial para buscar apoio à sua candidatura. Ela é tida como favorita para substituir o ex-diretor-gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn, que foi preso no mês passado por acusações de crimes sexuais.

Lagarde disse que as conversas com o banco central e autoridades do Ministério das Finanças da China sobre sua candidatura foram positivas, mas não explicitou se Pequim dera um apoio formal.

"Eu estou muito otimista sobre minha viagem para a China, mas a decisão não pertence a mim, pertence às autoridades chinesas", disse ela a jornalistas na embaixada francesa em Pequim.

"Eu estou confiante. Estou muito otimista sobre as reuniões que tive até agora. Alguns governos e alguns países decidiram ir a público antes."

(Por Koh Gui Qing e Langi Chiang)

Mais conteúdo sobre:
LAGARDE CHINA FMI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.