Laudo aponta bactéria em merenda de escola no MS

Laudo do Laboratório Central de Saúde Pública de Mato Grosso do Sul (Lacen/MS) constatou que os alunos que passaram mal após almoçar na Escola Municipal Iracema Maria Vicente, em Campo Grande, foram intoxicadas por uma bactéria encontrada nos alimentos. Na última terça-feira, 27, 180 crianças tiveram diarreia, vômito e dores abdominais. O resultado da análise feita nas amostras de água e alimentos foi divulgado hoje.

PRISCILA TRINDADE, Agência Estado

03 de outubro de 2011 | 16h57

Segundo o Lacen, a presença da bactéria estafilococos confirma a hipótese de que a contaminação do alimento tenha ocorrido no intervalo entre a pós preparação até o momento em que foi servido. A toxina produzida pelo estafilococos resultante de sua reprodução provoca vômitos e diarreia entre uma a seis horas. Quanto maior a sua concentração, menor o de período de incubação.

Entre as possíveis causas apontadas pela contaminação estão a distribuição dos alimentos em temperatura inadequada, conservação e manuseio pós preparação. Caso o alimento tivesse sido contaminado após preparo e fosse armazenado em refrigeração e manuseado corretamente, a formação de toxina, resultante da alta reprodução bacteriana não teria ocorrido, já que em temperatura ambiente, a cada 10 minutos tem-se uma nova geração de bactérias.

De acordo com o laboratório, a água colhida na escola não apresentou contaminação microbiológica. O Lacen ainda analisa as amostras dos alimentos in natura, ou seja, sem preparação ou que estavam no estoque da escola.

Mais conteúdo sobre:
intoxicaçãoescolaMSlaudo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.