Laudo culpa obra por vazamento que matou irmãs no Rio

Obras irregulares na cobertura do edifício Barra Beach, na Barra da Tijuca (zona oeste do Rio), causaram problemas no sistema de exaustão do prédio que culminaram no vazamento de gás que provocou a morte de duas irmãs, de 6 e 12 anos, por intoxicação quando tomavam banho, em 18 de agosto. A conclusão é de um laudo encomendado pela CEG (Companhia Estadual de Gás). Na época da obra, a cobertura pertencia ao apresentador do SBT Gugu Liberato, que será acionado na Justiça pelo condomínio.De acordo com o advogado do condomínio do Barra Beach, Mário Rebello de Oliveira Neto, o laudo assinado por uma equipe de engenharia da Uerj (Universidade Estadual do Rio de Janeiro) mostrou que a obra de unificação de dois apartamentos da cobertura modificou o projeto original de chaminés de saída de gás e dutos de oito colunas do prédio. "Recebemos o laudo, que vem com fotos anexadas, que mostram que foi construído um telhado que impede a ventilação adequada dessas colunas", afirmou Oliveira Neto.De acordo com o advogado, um mês antes do acidente o condomínio havia solicitado uma perícia na obra da cobertura, feita entre 2002 e 2003 por causa de rachaduras em alguns apartamentos. "Avaliaram que a cobertura causava problemas por excesso de peso por metro quadrado. Nós vamos acionar o proprietário da cobertura na Justiça pelos dois fatos", anunciou. Essa obra já havia sido embargada em 2002 pelo condomínio por falta de documentos, disse o advogado. As irmãs Keilua e Kawai Ferreira Baisotti tomavam banho quando foram intoxicadas por gás. Elas moravam na Itália com a mãe e passavam férias no Rio com o padrasto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.