Laudo não prova sangue de Isabella no carro, diz defesa

Um dos advogados de defesa do casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, Rogério Neres de Sousa, que já recebeu uma cópia dos laudos, negou que o sangue no carro da família seja de Isabella. ?Isso simplesmente não está no laudo, nunca esteve. Lá está escrito que é impossível determinar de quem é o sangue no carro. Justamente por isso estamos questionando esses métodos?, afirmou Neres. A defesa está reunindo elementos para entrar com uma representação na Corregedoria da Polícia Civil.Com os laudos em mãos, os advogados tentam encontrar brechas que apontem que a polícia tem provas frágeis contra o casal. Além do sangue, eles contestam o depoimento de vizinhos do Edifício London que citaram uma ?grande discussão? entre Alexandre e Anna Carolina dez minutos antes de a menina ser jogada pela janela do 6º andar.Segundo os peritos, que cruzaram as informações do rastreador instalado no Ford Ka com o primeiro telefonema dado ao Centro de Operações da PM, o casal ficou 14 minutos no prédio antes de o resgate ser chamado - ou um pouco menos, estimando o tempo que o vizinho demorou para ser avisado e pegar o telefone. Assim como Alexandre sustenta em depoimento que subiu primeiro para deixar Isabella no apartamento, sozinho, a defesa acredita que conseguirá provar que não houve tempo para uma briga. ?Como sempre falamos, a polícia está longe de fechar o caso?, diz Neres. O inquérito deverá ser concluído até segunda-feira. As informações são do Jornal da Tarde

AE, Agencia Estado

25 de abril de 2008 | 08h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.