Lavando bem, que mal tem?

Os doces de frutas, por séculos preparados em tacho de cobre, estão ameaçados desde que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu seu uso, alegando que a absorção excessiva de cobre pode causar danos à saúde. Só podem ser usados se forem revestidos com ouro, prata, níquel ou estanho. As doceiras de Araxá, em Minas, dizem que doces como o de figo não ficam com a mesma cor, textura e sabor em panela de inox. E garantem que basta lavar a panela de cobre com água e sabão, esfregar com uma mistura de vinagre e sal grosso, lavar de novo e secar bem no fogo. A boa notícia é que, segundo a Anvisa, o órgão tem interesse em revisar a norma, flexibilizar e encontrar um caminho alternativo. Mas terá de ser aceita pelos países do Mercosul.

28 Setembro 2011 | 21h08

“O doce preparado em

outros tachos perde a cor

viva da fruta, fica opaco.

Com a proibição do tacho,

o que está acontecendo é

que os produtores estão adicionando anilina para obter o mesmo visual do

doce de tacho de cobre”

Eduardo Maya

Da Oscip Conspiração Gastronômica

“A temperatura do inox é diferente da do cobre, o doce

fica ali por horas, não

dá o ponto e queima”

Luiz Augusto de Alemeida

Filho de dona Joana d'Arc de Almeida, do Doces Joaninha, de Araxá

Mais conteúdo sobre:
Paladar cobre

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.