Lavrador dizia à filha que anticoncepcional era remédio

Preso ontem à noite por ter abusado da própria filha durante um ano, na cidade de Pinheiro, interior do Maranhão, o lavrador Raimundo Pimentel Correia, de 69 anos, classificou como calúnia os indícios do crime nos primeiros depoimentos à Polícia Civil. A filha, de 12 anos, contou que era obrigada a tomar pílulas anticoncepcionais como se fossem remédios para anemia.

WILSON LIMA, Agência Estado

18 de junho de 2010 | 18h48

Segundo a Polícia, os primeiros abusos aconteceram depois que a esposa do lavrador morreu, há pouco mais de um ano. Exames realizados hoje confirmaram rompimento do hímen da adolescente. Os outros quatro filhos que moravam com o lavrador também confirmaram que o pai abusava sexualmente da filha.

Ainda de acordo com a Polícia Civil, um filho de 15 anos do lavrador também abusava sexualmente da própria irmã. Existem indícios de que os outros irmãos da jovem (de 16, 14 e 10 anos) a molestavam.

A adolescente sofre de epilepsia e de problemas psicológicos. Nos depoimentos, ela chorou e alegou que tinha medo de ser agredida pelo pai caso o denunciasse.

A prisão temporária de Raimundo Pimentel foi decretada pela 2ª Vara de Pinheiro. A adolescente foi levada para a mesma casa onde está Sandra Monteiro, também abusada pelo pai durante 16 anos. Os outros filhos do lavrador estão no abrigo para menores de Pinheiro.

Tudo o que sabemos sobre:
abusopaifilhaestuproPinheiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.