Lei municipal exige que SP só use papel com selo verde

Entrou em vigor na terça-feira a Lei n.º 15.464, que obriga os órgãos da administração direta e indireta do município de São Paulo, incluindo a Câmara Municipal e o Tribunal de Contas do Município, a usar papéis com certificação que comprove que a madeira utilizada na fabricação é oriunda de plano de manejo florestal sustentável. A lei é fruto de um projeto concebido no ano passado pelo vereador Floriano Pesaro (PSDB).

AE, Agência Estado

13 de outubro de 2011 | 23h02

"A lei é muito simples e já está em vigor, independentemente de regulamentação posterior. Ela não chega aos fornecedores particulares da Prefeitura, inclui apenas autarquias e empresas municipais, mas creio que pode criar uma cadeia de fornecimento ambientalmente correta", afirma Pesaro.

Segundo ele a partir de agora, além de considerar o preço em suas licitações, o município vai usar também o critério da sustentabilidade. "Geralmente, nas licitações, vale o melhor preço. Isso às vezes faz com que a qualidade do produto comprado pelo poder público fique comprometida. A lei vai impor um padrão mínimo", diz o vereador.

A equipe de Pesaro está trabalhando em mais dois projetos: um sobre o uso de madeira certificada em construções municipais e outro sobre a adoção de um selo para certificação da sustentabilidade nas obras.

Mais conteúdo sobre:
SPleipapelselo verde

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.