Leilão de carbono termina sem compradores

O primeiro leilão de créditos de carbono para mercado voluntário do Brasil, realizado na BM&FBovespa, terminou ontem sem fechar negócio. Nenhuma das quatro empresas participantes arrematou os lotes oferecidos.

, O Estado de S.Paulo

09 Abril 2010 | 00h00

Houve três sessões de 15 minutos. Em cada uma, a empresa titular Carbono Social Serviços Ambientais ofereceu um lote de 60 mil toneladas de carbono, totalizando 180 mil toneladas nas três sessões. Os créditos foram leiloados pelo preço de R$ 10 por tonelada. Não houve lances.

Este foi o terceiro leilão de créditos de carbono realizado pela BM&FBovespa e o primeiro voltado ao mercado voluntário - ou seja, os créditos podem ser negociados livremente, sem necessidade de aprovação dos projetos pela ONU.

Segundo a coordenadora jurídica da Carbono Social, Cinthia Caetano, que ajudou a conceber o edital, foi dado o primeiro passo para leilões voluntários no País. "Pode ser que o volume do lote ou as condições do leilão não sejam adequadas. Nós vamos trabalhar para mudar isso", disse Cinthia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.