Líbano fecha formação de gabinete de união

Ministério terá maioria de aliados ao Ocidente, mas Hezbollah terá direito a vetos.

Da BBC Brasil, BBC

11 de julho de 2008 | 14h48

Após seis semanas de discussões, líderes políticos do Líbano fecharam nesta sexta-feira a formação de um gabinete de governo de unidade nacional.De acordo com o acerto, a coalizão política alinhada com países do Ocidente, que controla a maioria do Parlamento, controlará pouco mais da metade dos ministros do gabinete do primeiro-ministro Fuoad Siniora.Por outro lado, o Hezbollah e seus aliados, que tem o apoio da Síria e do Irã, receberam um número suficiente de cadeiras no parlamento para vetar decisões importantes do governo, o que vinha sendo uma reivindicação desse grupo político.O presidente libanês Michel Suleiman, tido como uma figura neutra na política libanesa, indicou diretamente ministros para as cruciais pastas da Defesa e do Interior.Negociações tortuosasO acordo para a formação do ministério veio após um encontro entre Suleiman e Siniora."Este governo tem duas principais tarefas: resgatar a confiança no sistema político libanês... e a assegurar a realização de uma eleição parlamentar transparente", disse Siniora."Nossas diferenças não serão resolvidas do dia para a noite, mas nós decidimos resolvê-las por meio das instituições e do diálogo em vez de resolvê-las nas ruas."O acordo que previa a formação de um gabinete de unidade nacional foi fechada em maio em uma tentativa de colocar um fim na pior onda de violência sectária a atingir o país desde o fim da guerra civil, em 1990.Segundo o correspondente da BBC em Beirute Crispin Thorold, as negociações para fechar a composição do gabinete de unidade nacional foram tortuosas e os líderes libaneses sofreram grande pressão da comunidade internacional.Agora, Thorold acredita que os políticos terão que tomar decisões ainda mais difíceis. Talvez a mais complicada seja o que fazer quanto às armas do grupo Hezbollah. O movimento diz que precisa continuar armado para defender o Líbano de Israel, mas outros no Líbano acreditam que, com o tempo, a milícia precisa ser incorporada ao Exército Nacional.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.