Liberadas vias de acesso ao complexo de Suape

As vias de acesso ao complexo industrial e portuário de Suape, no município metropolitano de Ipojuca, foram liberadas no final da manhã desta quinta-feira. Trabalhadores ligados a três centrais sindicais - CUT, UGT e Força Sindical - impediram a entrada de veículos e ônibus que transportavam funcionários de empresas da área desde as 4h30.

ANGELA LACERDA, Agência Estado

11 de julho de 2013 | 13h33

Muita chuva e a suspensão do trabalho por empresas do complexo - se antecipando à mobilização - foram o motivo da baixa frequência de trabalhadores, segundo a Força Sindical. Não houve conflitos.

"O porto foi completamente parado", avaliou o presidente da Força Sindical, Aldo Amaral, ao considerar que o objetivo foi cumprido.

A direção do Porto de Suape vai divulgar um balanço do que funcionou no complexo durante a manifestação. De acordo com a assessoria, muitas empresas mantiveram suas atividades porque alteraram o horário dos turnos para evitar os bloqueios. O centro administrativo funcionou normalmente.

O complexo industrial e portuário abriga 105 empresas em funcionamento, que empregam 25 mil pessoas. Outras 50 empresas estão em construção, com 50 mil operários. Entre estas, a refinaria Abreu e Lima e a Petroquímica Suape.

Mais conteúdo sobre:
protestosPorto de Suape

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.