Líder conservador promete abrir arquivos britânicos de óvnis

Promessa de David Cameron vale caso o partido chegue ao poder; político foi questionado por cidadão

Efe,

27 Janeiro 2009 | 18h42

O líder do Partido Conservador britânico, David Cameron, se comprometeu nesta terça-feira, 27, a revelar todos os arquivos secretos que existam sobre óvnis, caso venha a se tornar o primeiro-ministro do Reino Unido.  Em um encontro com cidadãos no norte da Inglaterra, Cameron admitiu inclusive que estava "convencido" de que a Terra havia sido "visitada por formas de vida extraterrestre." "Um deles é o ministro do Comércio, Peter Mandelson", brincou. O político conservador abordou o assunto dos objetos voadores não identificados ao ser questionado por um cidadão em uma de suas periódicas reuniões em que responde às perguntas do público. Um dos espectadores dessa reunião se referiu às revelações feitas em julho em uma emissora britânica pelo cientista e ex-astronauta norte-americano, Edgar Mitchell, que disse "que o governo norte-americano manteve, e mantinha, contato com extraterrestres." "(O astronauta) falou do caso Roswell em 1947, quando se recuperaram os restos de um óvni e foram descobertos em seu interior corpos extraterrestres. Disse que se tratavas de algo real, mas que havia sido ocultado pelo governo durante anos", alegou o cidadão, que não se identificou.  "Você concorda comigo que o povo britânico tem o direito de saber se fomos visitados e, se assim acreditar, quando se tornar primeiro-ministro revelará os arquivos secretos e dará ao público a verdade que merece?", perguntou. Cameron, que não pode conter uma gargalhada em primeiro lugar, prometeu que, se um dia chegar ao governo, será "aberto e franco" sobre qualquer dado relativo a extraterrestres.  Ele acrescentou que não tem "nem ideia" se os aliens existem e se as visões documentadas "têm alguma base de verdade", mas afirmou que acredita na "liberdade de informação".

Mais conteúdo sobre:
óvnisReino Unido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.