Líder de Hong Kong diz que não vai renunciar

Líder de Hong Kong diz que não vai renunciar

Estudantes protestam a favor da democracia e do direito ao voto

REUTERS

02 de outubro de 2014 | 13h48

O líder de Hong Kong, Leung Chun-ying, disse aos manifestantes pró-democracia nesta quinta-feira que não tem intenção de renunciar, e alertou que as consequências pela ocupação de prédios do governo serão sérias.

Leung, falando minutos antes de um ultimato para que renuncie, disse ainda que a secretária-geral, Carrie Lam, vai realizar uma reunião com os estudantes para discutir reformas políticas. Ele não disse quando acontecerá o encontro.

Autoridades locais de Hong Kong pediram mais cedo a milhares de manifestantes pró-democracia que encerrem imediatamente o bloqueio a ruas do centro da cidade. As manifestações paralisaram grande parte do centro financeiro asiático.

(Reportagem de Anne Marie Roantree)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.