Líder do PMDB usa intenção de Garibaldi como ultimato a Sarney

O líder do PMDB no Senado, Valdir Raupp (RO), pretende dar na quarta-feira um ultimato ao senador José Sarney (PMDB-AP) a fim de definir a candidatura do partido à presidência da Casa. Os senadores peemedebistas se reúnem nesta tarde para definir quem disputará o cargo com Tião Viana (PT-AC). O atual presidente do Senado, Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), informará aos colegas que pretende entrar na disputa pela reeleição. Depois do anúncio, Raupp perguntará se há outro candidato no partido e então cobrará uma decisão da bancada. "O presidente Sarney vai ter que se definir", declarou o líder do PMDB a jornalistas, antes da reunião. "O Garibaldi se apresenta como o candidato do partido, mas tem dito que retira a candidatura dele se o Sarney se apresentar", complementou. Para Raupp, o partido precisa decidir até o fim do ano quem será o seu representante na disputa para impedir que a candidatura de Viana se consolide. Até agora, o petista foi o único senador que já lançou oficialmente uma campanha pela cadeira mais importante do Congresso. Apesar da disposição, Garibaldi pode enfrentar dificuldades para se candidatar. A regra atual impede a reeleição de presidentes do Senado na mesma legislatura. Mas o peemedebista argumenta que assumiu a presidência da Casa em uma espécie de mandato tampão devido à renúncia de Renan Calheiros (PMDB-AL). Petistas já disseram que podem ir à Justiça questionar a candidatura de Garibaldi se ela for oficializada, pois querem evitar que o PMDB comande o Senado e a Câmara. O partido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva apóia Michel Temer (PMDB-SP) para a presidência da Câmara. "Temos uma dúvida jurídica inquestionável. Temos primeiro que aguardar o parecer da consultoria do Senado", disse a jornalistas o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR). "A base está em ebulição, mas não está rachada." (Reportagem de Fernando Exman)

REUTERS

17 Dezembro 2008 | 16h13

Mais conteúdo sobre:
POLITICA RAUPP SARNEY*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.